sábado, 19 de abril de 2008

Sem Mais Finais Felizes ?


A capa da primeira revista, com participação de boa parte do elenco


Obras significativas não precisam ter toda uma profundidade paradigmática, que é na verdade uma metáfora sobre a sociedade atual ou qualquer outra dessas bobagens que muitos pseudo intelectuais adoram enchergar nos filmes, livros ou mesmo hq's. Na maioria das vezes se percebe a pura genialidade de uma obra quando se tem o conhecimento prévio do que se é tratado, e o espetador se pergunta: "COMO EU NÃO PENSEI NISSO ANTES ?". E é exatamente a sensação que a maioria das pessoas tem ao ler Fábulas.

Possívelmente você já ouviu falar, mas vamos lá... a hq baseia-se numa releitura dos personagens mais clássicos da literatura infantil. Lobo Mau ? Três Porquinhos ? Princípe Encantado ? João do Pé de Feijão ? Sim. Todos eles e mais um número quase inconcebível de fábulas vivem secretamente em nosso mundo; todas fugiram das chamadas "Terras Natais" (lugares além da nossa dimensão) ameçadas por um exército de criaturas sinistras, lideradas pelo misterioso ser chamado apenas de "Adversário". Faz alguns séculos desde a vinda destes fugitivos,
hoje em dia eles vivem com certo conforto entre nós, apenas mantendo-se incógnitos. O primeiro arco de histórias tem início quando João (o do Pé de Feijão) chama Bigby (o carismático Lobo Mau) para invertigar o suposto assassinato de Vermelha Rosa, a irmã de Branca de Neve (a fri prefeita da cidade). Na sala onde ocorrera o crime, estava escrito com sangue "Não Mais Finais Felizes". Daí por diante é um desfile de boas idéias ; onde o leitor além de tentar resolver o caso, cameça a conhecer as leis e os personagens que regem todo esse universo.

A sinopse do parágrafo de cima, é do primeiro arco de Fábulas "Lendas no Exílio", lançado aqui no Brasil em formato de luxo pela Devir em setembro de 2004 (levou o *Eisner de melhor história em capítulos, no ano de 2003) ; a Devir ainda publicou outros dois arcos "A revolução dos Bichos" e "O Livro do Amor". Pela Pixel, chegou nas bancas, em Julho do ano passado, a mini-série "1001 Noites". Nas três edições da mini-série, era mostrada a jornada de Branca de Neve até o reinado das fábulas muçulmanas, pedindo auxílio na guerra contra os exércitos do Adversário (a história se passa antes do êxodo para o nosso mundo).

No início deste mês, a Pixel lançou Fábulas #1 , com o arco "A Marcha dos Soldados de Madeira" (publicada originalmente em Fables #19), uma idéia inteligente por dois motivos: a história continua exatamente de onde os encadernados da Devir pararam e, por que "A Marcha(...)" é uma das melhores histórias para chamar a atenção de novos fãs (a grande cena de ação da última edição é simplesmente lendária).

Muitos comparam Fábulas com outra revista da Vertigo que lidava com o imaginário: Sandman, é claro. Na humilde opinião deste fã (das duas séries) ... a "acusação" não é muito relevante; pelo simples fato de que, Fábulas mostra pouca semelhança com a obra máxima de neil Gaiman, e , que não é tão incomum assim as velhas históris infantis serem revisadas de uma forma mais adulta (vide o filme "Na compania dos Lobos", os livros de Monteiro Lobato e uma centena de desenhos) .

E apenas mais um adendo: o canalha João, deu tão certo que suas aventuras foram grandes de mais para a Fables, sendo assim, ganhou sua própria publicação, que em nada deve em termos de qualidade para a sua progenitora.
João e suas desventuras fora da cidade


*Eisner Award, criado em homenagem ao grande Will Eisner; trata-se do "Oscar dos quadrinhos"

Ficou com vontade de conhecer melhor tudo isso ? Acesse o Vertigem e dê uma olhada nos scans

Um comentário:

zarpimpao disse...

Fábulas é do caralho!
Realmente MUITO boa, obra-prima mesmo.
Vale a pena demais dar uma conferida.
Tá no meu TOP 5 de histórias em quadrinhos :D