terça-feira, 20 de abril de 2010

Homem-Aranha Noir



Não sei como começar esta porcaria de resenha. Mas sei que li Homem-Aranha Noir e descobri que ela fica entre Wolverine e X-Men dessa mesma franquia... Ou seja, é mediana. Talvez até medíocre.

O repórter Ben Urich (visualmente mais bem apresentado que aquele arremedo de Woody Allen do universo tradicional) tava dando um rolê pela parte mais pobres da cidade, pra tira umas fotos dos miseráveis e fodidos na vida e publicar no Clarim Diário. Lá ele encontra uma véia doida em cima de um caixote (sério), pagando de Che Guevara, com aquele papo de comunista "o proletário é explorado pela vil classe dominante", e todo aquele discurso de universitário maconheiro. Sim, claro que a velha é a Tia May, e do lado dela  está o ranhento Peter Parker (num totalmente anos 70); Aparecem alguns capangas do mafioso Norman "Duende" Ozborn,  pra dispersar a muvuca e dar uns treme na velha, mas por sorte dos Parker, Urich tem arrego com o patrão dos brutamontes e manda eles ralarem peito. Peter e Urich viram chegados, largam a velha em casa e saem pra tomar umas biritas... E no outro dia Peter está empregado no Clarim. E só daí pra frente que a história realmente começa.

Esse primeiro parágrafo é uma sinopse da primeira edição, que eu realmente não vi grandes necessidades de existir, podiam ter economizado nos diálogos e acelerado a transformação do Peter em Homem-Aranha, coisa que só acontece lá no meio da segunda edição (não vou contar como). Sabe, não é que eu não gosto de diálogos, mas nessas duas primeiras edições é só conversa mole! Não tem nada digno de nota, nem uma frase bem sacada, ou coisa do tipo; Começa a cansar o leitor.

Depois de feita a transformação e de criado o uniforme (muito estiloso por sinal), a edição 03 e 04 são repletas de... mais diálogos!! Os caras guardaram praticamente todas as cenas de ação pra última edição (mas não são muitas), pra mim não tem problema, mas me ponho no lugar de alguém que não é um fanboy tão hardcore... Definitivamente eu não compraria mais porra nenhuma relacionado ao "Noiverso" (inventei agora o termo).

"Mas porra Banned, o que é que tem de bom nessa revista então ?" A origem dos poderes e do nome do heróis, são duas idéias bem sacadas. Os capangas do Duende também são interessantes; Kraven por exemplo, era um amestrador de animais (ele tem até um macaquinho), o Abutre, era uma aberração de circo (visual muito parecido com o do Max Schreck em Nosferatu). Outro mérito da revista é ter tornado o "sentido aranha" uma coisa inovadora, mas ainda reconhecível e de quebra, visualmente interessante.

3 comentários:

sapao318 disse...

putz...eu ainda não terminei de ler o X-men noir ainda!! vai devagar rapaz!! é tanto gibi pra ler, filme pra ler, mulher pra "botar a conversa em dia"...que as minhas horas de folga tão virando trabalho também,hehe!!

abração Banned!!

zarpimpao disse...

ahcei até da hora o homem-aranha, asssim como vc eu curti bastante o conceito dos vilões, e o "visual" do sentido aranha.
bem massa!

ah, li o dmeolidor esses dias, tb curti

sapao318 disse...

hummm, já tinha lido isso, caramba!! fazia tempo, mas já tinha lido!! mas enfim, valeu!!

bom descanso Banned, e galera que prestigia os posts!!

abração!!